quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Uns dos porquês que as flores morrem

Diziam que era bela.
Belezas dessas que precisam de remendados adornos.
Toda quinta-feira tomava seu remédio.
E passava sorvendo-me os últimos pedaços de infância.
Época que as calçadas eram feitas de verdades eternas.
E os pecados ainda ficavam para os abraços dos cobertores.
Quantas vezes eu amei a novela e a ponte que trazia em seu corpo.
Um dia atravessei a ponte e os lápis perderam as cores.
Nascia o poeta que não queria nascer, o poeta meio, o poeta não.
Bem vindo piso frio, rosto seco que sossega todas as grades.
Bem vindo homem de bem, atalaia das horas sem pressa.
Pro inferno o intelectual. Necessito de uma ignorância
que me compreenda.
Que me dê o calor de novas cicatrizes.
Enquanto não descobrirem que estou aqui, calado á margem da linha.
E que o ponto final só existe na poesia para quem ler.

70 comentários:

  1. Olá....Rodrigo, passando para fazer uma visita e dizer que tem uma Indicação para vc lá meu Blog.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá Rodrigo,

    Que bela postagem, Parabéns!

    Te ler me emocionou!

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Com certeza!
    A poesia é para deliciar olhos alheios, para o nosso peito ela dói em forma de espinho.
    Mas as palavras precisam desse preparo antes do mar, para que salgue apenas as ondas que brotam sem almejar.
    Belo texto.
    Um abraço Rodrigo.
    Fernanda.

    ResponderExcluir
  4. "Necessito de uma ignorância que me compreenda."

    A ignorância dos sentimentos, que nos invadem sem nos conhecer...

    Maravilha, poeta áspero!

    Beijo de Luz!

    ResponderExcluir
  5. Oi querido,
    "quando descobrirem que estou aqui calado à margem da poesia" que lindo Rô...
    e ela, a poesia, vai estar sempre lá te esperando... ela não pode viver sem você!
    Bjo

    ResponderExcluir
  6. Me fez chorar...hoje estou tão sensível que vc alimentou um pouco minha alma...

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Ola,

    ... a poesia, graças aos céus ou infernos, não tem pt final... e os poetas nascem.
    Bjão e boa semana

    ResponderExcluir
  8. Rodrigo!

    Ainda bem que o poeta nasceu! Para isto, as flores morrem e as nuvens incendeiam.

    Belíssimo!

    Beijos, poeta!

    Mirze

    ResponderExcluir
  9. Rodrigo...

    Nossa, o seu poema tem a interpretação de quem lê, pois ele nos remete a várias coisas... Depende do que estamos vivendo no momento para entender...

    Esse "ponto final só existe no poema para quem ler." - para mim não existe, mesmo que concretamente eu o veja. Nesse poema eu enxergo o que não está escrito, o que está abaixo do poema em verso invisíveis.

    Todas essas metáforas que usou no poema, tão bem pensadas e escolhidas, podem significar tanta coisa: podem estar relacionadas a mudanças, alguém que perdeu a inocência para agora ter novas experiências; a experiência de um novo jeito de colocar no papel os sentimentos; a aceitação que mudar doi, mas mesmo assim sempre existe a busca de novas cicatrizes; a experiência de um novo amor, mesmo que sejam aliterações, pois o amor nunca se repete, embora ele seja a porta de entrada de cada palavra seguida da outra, cada fonema ganha um som diferente, pois não somos os mesmos sempre, mudamos a cada dia, com tudo o que vivemos...

    Ainda assim, o seu poema me transporta para um mundo desconhecido, não consegui entender alguns pensamentos, pois parece algo tão íntimo, tão seu, que não temos o direito de saber... e como sempre aprendi: os poemas devem ser lidos com o coração, não com a razão, não devem ser explicados, devem ser sentidos.

    "Eu me calo diante dos meus versos, eles falam por mim e me confortam..."

    Bjs
    Chris Amag

    ResponderExcluir
  10. Rodrigo,

    Só sei que teus poemas me batem ao coração.

    "Um dia atravessei a ponte e os lápis perderam as cores.
    Nascia o poeta"
    Mesmo sem o querer.

    Ah. E o uso perfeito da palavra "atalaia". Adoro esses usos perfeitos de palavras. O teu me chamou à atenção

    Beijo

    Carla

    ResponderExcluir
  11. Lindo, doido, abusado, como a poesia tem que ser.
    Adorei conhecer seu espaço.


    BeijooO*

    ResponderExcluir
  12. Eu ainda acho quetoda poesia termina sempre em reticencias, principalemtne praquem ler.

    rsrsrs

    Bjocas

    Erikah

    ResponderExcluir
  13. Bom lugar aqui também. Seus poemas lembram Drummond. Talvez seja isso.

    Abs.

    ResponderExcluir
  14. "Pro inferno o intelectual! Necessito de uma ignorância
    que me compreenda."
    exubertante!!!! Se a platéia se calar, me colocarei de pé, em altos apláusos para ti!
    "É pena não ser burro, não sofria tanto!"
    abraços

    ResponderExcluir
  15. Lindo!!!
    Tudo o que se tem cuidado, vive eternamente!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Parabéns pelo lindo poema, pois é um poema intenso, profundo e tocante. Beijinhos e uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  17. A beleza de uma flor não deveria morrer nunca.

    bjs
    Insana

    ResponderExcluir
  18. Oi...tem um desafio pra voce lá no meu blog. Bju e otima semana!!!!

    ResponderExcluir
  19. exatamente, o ponto final so existe pra quem lê. para quem 'tece' um poema sempre fica mais a ser dito, ou nas entrelinhas.

    ResponderExcluir
  20. Grata pela visita e as palavras gentis.
    Belo blog! Estarei sempre por aqui.
    Bjo, Soninha

    ResponderExcluir
  21. Olá, amando o que ando lendo por aqui...beijus gigantes

    ResponderExcluir
  22. olá Rodrigo,primeiro agradecer a visita e o comentário...caramba fiquei muito tocada com o que acabo de ler...aff to tão sensivel hoje..hehe...bjão!

    ResponderExcluir
  23. Olá Rodrigo, boa tarde!
    Antes de mais nada, quero te agradecer pela visita no meu canto.

    E gostei demais de tudo isso aqui.
    Tenho que voltar com calma pra ler, ler e ler.
    E não simplesmente passar os olhos no texto.
    (:

    Bj

    ResponderExcluir
  24. Puxa, que lindo! E adorei a imagem DA ABERTURA DO BLOG.ABRAÇOS,CHICA

    ResponderExcluir
  25. Uma ignorância que me compreenda...

    Que versos!

    Fortes como a realidade.
    Suaves como o sonho.

    Vim retribuir sua visita e adorei conhecer seu blog. Certeza que vou me acabar de tanto ler por aqui... ;)

    Beijo grande

    ResponderExcluir
  26. forte. Substancioso como sopa grossa quente que se toma com cuidados redobrados: pela fome, pelo sabor forte percebido e sentido nas primeiras colheradas, que nos levarão, fatalmente, a queimar a língua e a boca.
    Sua poesia é um prato para se comer, consciente dos ingredientes; e eles são..., consistentes!

    Bonita. Cala em profundidade.

    Abrçs.

    ResponderExcluir
  27. Necessito de uma ignorância
    que me compreenda.


    Compreender é libertar.
    Um tipo de ignorância sábia essa, de ego despido.

    ResponderExcluir
  28. Adoro as palavras. Elas são capazes de fazer a gente viajar a um mundo, às vezes sem volta.
    Lindo poema!
    Queria essa ignorância também!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  29. as flores morrem porque um dia o que as nutre (adubo,sol,água da chuva,etc) não lhes é suficiente. Um dia elas morrem...

    Mas, acho que no seu poema, significa que: toda a beleza que um dia era visto nas coisas mais banais foi perdida.

    é o que eu acho...

    ResponderExcluir
  30. Obrigada pela visita!

    Adorei cada palavra contida aqui, você tem uma sensibilidade que aflora, sua alma cheira a talco!

    desafio pra vc no meu blog!
    Beijos

    www.luanavalente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  31. "E que o ponto final só existe na poesia para quem ler."

    Ótimas palavras.
    E obrigado pela visita e pelo comentário.
    Volte sempre.

    ResponderExcluir
  32. Rodrigo,
    verdadeiros somos quando deixamos que brotem espontâneas as palavras: sem pretensões, amarras.
    Desta forma, selvagem.

    Um abraço,
    marlene edir severino

    ResponderExcluir
  33. Olá, Rodrigo.

    Que texto-poético belíssimo esse! Lindas metáforas! Vc me fez viajar nessas imagens...

    Adorei isso: "Época que as calçadas eram feitas de verdades eternas.
    E os pecados ainda ficavam para os abraços dos cobertores."

    Perfeito!
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  34. Eu estava online quando você comentou no meu blog...

    Sabia que você lembra o cantor Sérgio Saas?

    ResponderExcluir
  35. Nossaaa!

    QUANDO EU [A POETISA] CRESCER,
    QUERO SER IGUAL A VOCÊ [POETA]!!!!!

    Na boa, ficou muito perfeito.
    Nem tenho adjetivos, nem pronomes [nem retos nem tortos]
    pra descrever o que sinto quando leio e releio
    esse poema.
    Poh, maravilhoso!

    ps.: Obrigada pela passadinha no Putz, e agora?.

    ResponderExcluir
  36. Suas palavras me deixaram comovido. Primeiro por que, perdoe-me a franqueza, mas eu não conhecia nenhum protestante com tamanha sensibilidade com as palavras. Segundo por que, além da sensibilidade de cada palacra dita por vc eu vejo algo maior: TALENTO! Vc é muito bom nisso.

    PARABÉNS PELO BLOG VIU?!
    Q Deus te ilumine sempre...estarei sempre por aqui!

    bjoxxxxxxxxxxx

    ResponderExcluir
  37. Muito bom!!
    Valeu pelo comentário! Espero q volte sempre!
    O seu blog é show! E seus poemas... tbm! :D

    ResponderExcluir
  38. Mais um poema extraordinário!

    VC É MAGNÍFICO!!!!

    BEIJOS!!!

    O poema é uma espiral eterna sem começo nem fim...

    ResponderExcluir
  39. adorei o seu post, bem como todo o blog, parabéns, estou seguindo

    abs

    ResponderExcluir
  40. Oi!
    Te adicionei!
    [não pensei que conhecesse o cantor...mas, se fosse procurar na internet iria ver és um pouco parecidoo com ele =]

    http://emyhouse.blogspot.com/2010/12/o-caso-da-cidade-das-almas-2-parte.html

    ResponderExcluir
  41. São palavras leves que cocheiam o coração!
    Obrigada por passar em meu canto estou lhe seguindo, perdoa-me a demora!
    Abraços.

    Dê uma passada neste cantinho:

    http://casadadonasanta.blogspot.com/

    É de uma querida que esta começando agora, vale muito a pena, seu primeiro texto é espontaneo e belo!

    ResponderExcluir
  42. Bela dissertação amigo...
    o final só termina para o leitor mesmo...
    porque para o artista,
    o seu intelecto se fervilha de ideias.
    Abraços,

    Dan

    ResponderExcluir
  43. Lindo poema Rodrigo!

    O ponto final está nos olhos de quem olha.

    Nunca é tarde para amar, recomeçar..escrever...apagar e re-escrever...enfim, a vida é uma sequência de afazeres, que nunca termina se não quisermos que termine!

    Sobre o título "Uns dos porquês que as flores não morrem"..penso, que ela só morrerá se deixarmos morre-la....

    Vai chegar o dia que será inevitavel fazer algo por esta flor...mas o que importa, é que tentamos até onde poderíamos ter tentado. Este é o segredo da vida: TENTAR sempre!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  44. Olá
    eu vi teu comentário nesse blog:
    http://crismeloc.blogspot.com/2010/12/sinto-de-longe.html#comments


    Na verdade aquela textinho faz parte da minha melancolia. te seguindo!
    http://eubuscopaznadamais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  45. porque é que as flores morrem?...
    Meu Deus! porque é que as flores mais belas têm que morrer?
    E fica tanto por dizer...
    Ficam palavras perdidas...
    Silêncios interrompidos por pensamentos de dor...

    Quem dera a ignorância...

    um anjo

    ResponderExcluir
  46. ♥ Olá, amigo!♫
    ♫♥ Passei para rever seu espaço e para mais uma bela leitura... admiro sua criatividade.
    ♫♫ Beijinhos. ♥♫
    ♫♥ Brasil
    ♫♫♫♥

    ResponderExcluir
  47. O Natal chegou. Com ele nossas esperanças, nossos novos sonhos. Que nossas esperanças estejam sempre vivas, e que nossos sonhos tornem-se realidade. E que neste Natal o amor, a fé e a esperança estejam presentes em cada um de nós, que a cada novo dia do ano que está para começar estejamos iluminados. Feliz Natal, para você e a todos os seus familiares.

    Beijos no coração.
    Miss Simpatia.

    ResponderExcluir
  48. ♥♫ Querido amigo,

    "Que o Natal não seja apenas uma data... mas um estado de espírito a orientar nossa vida... e que o amor se renove a cada ano da nossa convivência."

    ♫♫♫ Feliz Natal!!!


    …………(¯`O´¯)
    …………*./ | \ .*
    …………..*♫*.
    ………, • '*♥* ' • ,
    ……. '*• ♫♫♫•*'
    ….. ' *, • '♫ ' • ,* '
    ….' * • ♫*♥*♫• * '
    … * , • Feliz' • , * '
    …* ' •♫♫*♥*♫♫ • ' * '
    ' ' • . Navidad . • ' ' '
    ' ' • ♫♫♫*♥*♫♫♫• * ' '
    …………..x♥x
    …………….♥

    Bj♥s
    Minas ♥♫♫

    ResponderExcluir
  49. Espero que seu Natal tenha sido maravilhoso!

    FELIZ 2011!!! De lindas e extraordinárias poesias!


    Sua poesia não lembra a de ninguém. Você é RODRIGO PASSOS. Sua poesia lembra Rodrigo Passos, um dos melhores poetas da atualidade!
    Um dia ainda escreverei isso em uma coluna de algum jornal ou revista especializada.

    BEIJOS!!!

    Sua poesia é grande!

    ResponderExcluir
  50. E o onto final só exista para o leitor #FATO.

    ResponderExcluir
  51. Lindíssimo! Desses poemas que ficam em nós. Mudamos a página, mas aquele sentimento despertado, permanece.
    Que 2011 lhe traga as melhores realizações, desperte os melhores sentimentos.
    Saúde e paz
    bjs

    ResponderExcluir
  52. Oá, Rodrigo.

    Vim lhe desejar um 2011 maravilhoso, cheio de paz e alegria, saúde e grandes realizações!

    Grande abraço! :)

    ResponderExcluir
  53. "Necessito de uma ignorância que me compreenda"... Eu também necessito. Se encontrar antes de mim, diga-me onde encontrar. Parábéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  54. fantástico isso, cara. muito bom!

    "Que me dê o calor de novas cicatrizes."

    ResponderExcluir
  55. "o ponto final só existe para quem lê"...publiquei uma imagem com essa frase no meu blog p ti

    ResponderExcluir
  56. Gostei de vir aqui e ler-te,saio feliz!
    Desejo que seus dias,sejam iluminados pela essência Divina,com Boas Energias Sempre!
    Abraços
    Mari

    ResponderExcluir
  57. Não aguentei, precisava dizer que este poema mexeu comigo...eu fui até o ponto final, e amei!
    beijo
    Carmo

    ResponderExcluir
  58. De repente.... Vc sumiu!

    Saudades da tua poesia...

    ResponderExcluir
  59. Ah meu querido, as tuas palavras doces me fazem um bem danaaadooo!!
    Beijos=**

    ResponderExcluir
  60. Eu vim retribuir tua visita que fizeste ao me blog um tempo desses.E deparei-me com tua poesia despojada, meio vândala, mas sincera.
    Quando dizes que um dia atravessastes a ponte e os lápis perderam as cores, eu acho que é assim mesmo, aquilo que apenas tem aparência ou mesmo o que fantasiamos geralmente nos decepciona, perde a beleza, perde o encanto.
    "Nascia o poeta que não queria nascer, o poeta meio, o poeta não." Acho que na verdade o poeta não nasce, ele aflora... Aflora??? Sim aflora! O poeta coloca pra fora sua sensibilidade, sua maneira de ver as coisas, suas aspirações, seus medos, seus desejos, enfim, seus pedaços juntados aqui e ali.
    Abraços

    ResponderExcluir
  61. Tão bela escrita...Adorei...Não pare nunca.

    ResponderExcluir
  62. Simplesmente perfeito!!
    Adoro ler a forma como vc se supera e escreve versos ainda mais consolidados ;)

    ResponderExcluir